DEM elegeu três vereadores e PSD, PP Solidariedade, PMB e PSC duas

Teoney Araújo Guerra* -
Os dados referentes aos vereadores eleitos no pleito de domingo (16/11) em Eunápolis, comparados à atual composição da câmara, deixam claro uma renovação de mais de 82% na casa legislativa. Um percentual nunca registrado, o maior da história.

Visto de forma superficial, esse dado pode dar a impressão de ser resultado de um descontentamento, de revolta do eleitorado local contra a maioria dos atuais edis. Porém, não é bem isso. 

[ads id="ads1"]

Na realidade, a “renovação” foi menor, porque alguns titulares de mandato, por algum motivo não se candidataram, tendo apresentado candidatos “substitutos”, que foram eleitos. 

Foi assim com o vereador Jota Batista, que indicou a esposa, Arilma Pereira, eleita domingo. O também vereador Paulo Brasil foi outro que, ao invés de se candidatar, preferiu manter o mandato em família, apresentando como candidato o irmão, Jairo Brasil, também eleito.

O vereador Ramos Filho, que teve problemas com o partido, o PTC, e não foi candidato, apresentou e elegeu Francis Oliveira, que será uma espécie de seu substituto no legislativo municipal.

Carmem (PSD) recebeu o maior número de votos, com 1.360.

A saída do também vereador Aderbal Costa Dias fez parte dessa política caseira. A sua esposa, a ex-vereadora Carmem Lúcia Maciel, que, na impossibilidade de se candidatar na eleição passada, o iniciou e o elegeu, foi a candidata mais votada domingo e retornará para o seu quarto mandato na câmara eunapolitana.

Dessa forma, continuam para mais um mandato a partir de 1º de janeiro apenas o atual presidente da câmara, Jorge Maécio (PP), Arthur Dapé e Gildair Silva Almeida. E deixam a casa, por não terem obtidos a reeleição, Ubaldo Suzart – que cumpre o seu quarto mandato -, Osvaldo Pereira, o Vavá da Farmácia, que também está no seu quarto mandato, Carlos Alberto Lima – o Carlos da Auto Escola -, Daniel Queiroz, Jose Miranda, Luiz Carlos da Silva, Marcos Rezende, Waldemar Batista Oliveira – o Dudu e Jurandi Leite. Cherubino José de Souza, que afirma estar deixando a política, não se candidatou. 

CARAS NOVAS - Apesar de a próxima legislatura vir recheada de novos nomes, que podem ser considerados de “novo” na política, como Pedro Queiroz, Adriano Cardoso, professor Thiago Mota,  pastor Renato Bromochenkel e Fábio Arruda, virão, também, velhos conhecidos. Ex-vereadores que agora obtiveram uma nova oportunidade, como José Carlos dos Taxistas e Tó do Cavaco. 

[ads id="ads2"]

Assim, na realidade, houve uma renovação significativa na Câmara Municipal, mas nada que possa ser considerado como uma “revolta do eleitorado”, que, dessa vez, elegeu pelo menos duas mulheres, corrigindo um erro grave que cometeu da última eleição, deixando o legislativo eunapolitano sem a presença feminina.  

*Teoney Araújo Guerra é jornalista e corretor de imóveis