Moradores estão indignados com a matança de animais na praça do Vivendas 

Uma equipe do IBAMA removeu a carcaça de um filhote de jacaré da Praça Lourival Bezerra Maciel, no bairro Vivendas Costa Azul, em Eunápolis, na manhã desta segunda-feira (26). A morte do animal gerou indignação entre os moradores da localidade.

O filhote foi atingido na região da cabeça, possivelmente por um tiro, na madrugada de sábado (24). A suspeita é que o filhote seja o mesmo que foi visto “passeando” pela área no início da semana passada. Os jacarés são vistos com frequência saindo de uma lagoa no entorno da praça.

[ads id="ads1"]

“Algum infeliz está acabando com os bichos lá da praça. Já matou os patinhos, os gatinhos, as corujas, só faltam as tartaruguinhas. Matou o jacaré só por matar e deixou a carcaça lá. Eu cheguei a chorar quando vi, fiquei arrasada, é muita crueldade”, disse uma moradora em condição de anonimato à reportagem do RADAR 64. Há relatos de outros abates de jacarés no local.

Jacaré foi atingido possivelmente por tiro

Quem também se indignou com a morte violenta do animal foi o chefe da unidade do IBAMA em Eunápolis, o agrônomo Henrique Jabour. “A eliminação do animal foi um gesto de crueldade do homem”, declarou.

Jabour informou ainda que a lagoa é o habitat natural dos jacarés, que geralmente são da espécie papo-amarelo, e que os seres humanos é que estão ocupando o local. "Inclusive, o aparecimento frequente dos animais na praça acontece devido à retirada da vegetação, visitação do público e fechamento da área", disse.

É comum a aparição de jacarés na praça do Vivendas 

Apesar de não haver registro de ataques de jacarés a humanos na região, a orientação é não se aproximar dos animais, não importuná-los e não expô-los a luzes. Os jacarés se alimentam de pequenos animais e peixes.

[ads id="ads2"]

É proibido caçar e abater animais silvestres. Caso a pessoa que matou o jacaré seja identificada, pode ser multado de R$ 500 a R$ 5 mil.

O animal foi encaminhado para o CETAS - Centro Triagem de Animais Silvestres, em Porto Seguro, onde será analisada a causa da morte e definida a destinação da carcaça.