Índios pataxó, em Porto Seguro (divulgação)

Durante a pandemia do novo coronavírus, a Fundação Nacional do Índio (Funai) destinou valores aos estados brasileiro para o combate e prevenção da Covid-19 entre a população indígena. A Bahia é terceiro estado com maior número de autodeclarados índios, mas recebeu 25% a menos do valor pago a Santa Catarina, apesar de ter 71% a mais de índios em seu território, segundo levantamento do Bahia Notícias.

Os dados obtidos via Lei de Acesso a informação (LAI) pelo Bahia Notícias apontam que o estado do sul do país teve R$ 1.162.219,62 em despesas pagas, divididas em duas unidades gestoras. Já a Bahia recebeu R$ 881.417,26, também em duas unidades gestoras, desde abril, quando o governo federal começou a destinar verbas para o combate à pandemia entre indígenas até o dia 8 de outubro de 2020. 

Em números gerais, de acordo com o último censo do IBGE, em 2010, vivem na Bahia 56.381 indivíduos, representando 16 grupos étnicos, o que totaliza 6,9% da população indígena brasileira. Já em Santa Catarina, também segundo o IBGE, são 16.041 índios, que correspondem a 2% da população nacional. 

Enquanto a Bahia é a terceira no ranking, neste quesito os catarinenses aparecem na modesta 15ª posição. Contudo, nos investimentos, as posições se invertem. Santa Catarina aparece em quinto, enquanto a Bahia é a sexta colocada.

Até esta quinta-feira (15), oito indígenas morreram na Bahia em decorrência da Covid-19. Este número contabiliza todo o período da pandemia. O total de infectados é de 1.394 indígenas no estado. A quantidade representa 0,42% do número total de infectados pelo vírus na Bahia. 

Estes indígenas estão distribuídos em 36 aldeias ou regiões, segundo dados disponibilizados pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).