Hospedagens estão limitadas a apenas 50% da capacidade.

Com sol a pino, Porto Seguro teve um fim de semana movimentado e atingiu marca de 50% de ocupação máxima nos hotéis, segundo reportagem do jornal Correio*.

De acordo com o secretário municipal de Turismo, Paulo Magalhães, a procura foi grande e, se o decreto permitisse 70%, teria completado. “Num feriado como esse, estaríamos tranquilamente com muitos ônibus e vôos aqui, 100% de ocupação, mas nessa nova realidade temos uma limitação, que é necessária”, afirmou em entrevista ao Correio*.

[ads id="ads1"]

Na expectativa da prefeitura, dada a ansiedade de viajar que têm percebido nas pessoas, essa lotação máxima permitida deve se manter no próximo feriado de 12 de outubro. O secretário espera que, se daqui para lá a contaminação por Covid-19 for reduzida na região, a cidade poderá avançar nas suas fases de reabertura econômica e aumentar a capacidade de ocupação de hotéis. 

Ao todo, o município tem mais de 500 hospedarias que somam mais de 45 mil leitos, espalhados na própria Porto Seguro e em suas localidades famosas — como Trancoso, Arraial d’Ajuda e Caraíva.

Em Arraial d'Ajuda, distrito de Porto Seguro, houve uma intensa movimentação na Rua Mucugê na noite de sábado, com bares lotados e muita gente sem máscaras.

Dono de uma pousada em Caraíva, Agrício Ribeiro decidiu não abrir as portas ainda e não está tão otimista quanto à redução de casos, como sonha a prefeitura. 

[ads id="ads2"]

Embora a gestão tenha criado protocolos sanitários e um selo de segurança para os estabelecimentos, ele disse ao Correio* que não há fiscalização necessária na localidade, que fica a cerca de 2h de Porto Seguro e foi a última a ser reaberta. 

O pequeno local, recém-explorado turisticamente, também não tem infra-estrutura médica e hospitalar suficiente.