Preços de alimentos disparam

O presidente Jair Bolsonaro fez novo apelo aos donos de supermercados — o segundo em uma semana — para diminuir o preço dos alimentos, que segue em alta valorização nas prateleiras e tem levado à adoção de limites a clientes na compra de produtos básicos.

[ads id="ads1"]
Segundo O Globo, o governo foi pego de surpresa com a alta dos preços no momento em que se prepara para reduzir à metade o valor do auxílio emergencial. No entanto, o presidente afirmou que não vai intervir. “Ninguém vai usar caneta Bic para tabelar nada, mas estou pedindo para eles que o lucro desses produtos essenciais no supermercado seja próximo de zero”, disse Bolsonaro.
Ainda de acordo com o jornal, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, garantiu que não haverá desabastecimento. A Associação Brasileira de Procons e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pediram ao Ministério da Economia para monitorar as exportações e garantir o abastecimento interno
O que está acontecendo: feijão, arroz, carne, leite e óleo de soja registram aumentos expressivos e devem continuar subindo, já que os preços no atacado ainda estão em alta. Um conjunto de fatores ajuda a explicar a tendência de aumento: dólar alto, consumo maior da China, período de entressafra.

[ads id="ads2"]
A jornalista Míriam Leitão, em sua coluna em O Globo, opina que o caminho do presidente de pedir “patriotismo” aos supermercados não funciona, mas sim a lei da oferta e da procura. “Em um país que tem sofrido, nesta administração, sérios retrocessos em tantas áreas, só faltava ter que lidar com interferência governamental na formação de preços”, afirma a jornalista.