Nove pessoas foram presas durante uma operação das polícias Civil e Militar, em Eunápolis, no início da manhã desta sexta-feira (04). O grupo, que era liderado por um advogado, é investigado pelo Ministério Público Estadual por extorsão, associações criminosas, fraude processual, dentre outros crimes. Os mandados de prisão preventiva e busca e apreensão foram expedidos pela 2ª Vara Criminal de Eunápolis.

A operação é um desdobramento de um inquérito iniciado em julho do ano passado, quando um grupo de trabalhadores rurais sem-terra atacou funcionários de uma empresa de segurança terceirizada pela Veracel em uma fazenda na zona rural de Eunápolis. Parte das pessoas presas na ação teve direito à liberdade provisória, mas deveria cumprir medidas alternativas impostas pela Justiça. No entanto, eles desobedeceram as ordens judiciais e tiveram as prisões preventivas decretadas.

[ads id="ads1"]

Um dos presos é o advogado Mário Júnior Pereira Amorim, 54 anos. A conduta do acusado motivou o nome da operação, que foi intitulada Rábula – termo utilizado para designar advogado inescrupuloso.

Também foram presos, Geraldo Pereira dos Santos, 65, Derolino Pereira dos Santos, 66 anos, Rogério Silva da Rocha, 35, Nilson de Oliveira Gonçalves, 51, Raimundo da Rocha, 47, Nival Miguel da Silva, 59, Cláudio Francisco de Oliveira, 52 e José Alves Câmara, 54 anos.

Outras três pessoas permanecem foragidas, dentre eles o radialista Jean Ramalho, que atuava na extinta 98 FM. A polícia tenta localizá-los.

[ads id="ads2"]

“O advogado tem como estratégia denunciar o Ministério Público, o Judiciário, as polícias, ou qualquer outra autoridade contrária a sua vontade particular. O grupo chegou até a criar um blog para disseminar fake news”, informou o coordenador da 23ª Coorpin, Moisés Damasceno.

Durante o cumprimento do mandado foram apreendidos eletroeletrônicos e documentos diretamente ligados à investigação.