Depois de quase quatro meses sem turistas por conta da pandemia, a cidade de Porto Seguro, no Sul baiano e sexto destino mais procurado do Brasil, começa, enfim, a retomar as atividades do setor e a receber os primeiros visitantes. A partir do dia 15 de julho, alguns hotéis já estarão abertos e agências de receptivo voltam a operar, assim como barracas de praia, bares e restaurantes - todos com 50% da capacidade. “Não vai ser o movimento de antes nem como a gente gostaria, mas será com muita segurança”, assegura o secretário de turismo de Porto Seguro, Paulo Magalhães. 
Para entrar nos hotéis, só de máscara e depois de passar no teste do termômetro. Nos restaurantes, é preciso pelo menos uma cadeira de distância entre os clientes, e mesas com mais de 6 pessoas ainda não são permitidas. Essas foram algumas das mais de 200 regras exigidas pela Prefeitura no rígido protocolo de retomada, publicado no dia 23 de junho. Antes de abrirem as portas, os empreendimentos precisam provar à equipe de vigilância sanitária que todas as exigências foram cumpridas, para, então, receber o selo que permite a retomada. 

O primeiro local de hospedagem aprovado pela inspeção da Prefeitura, que começou a ser feita quarta-feira (8), foi o Sued’s Plaza, fechado desde 20 de março. Só metade dos 117 apartamentos poderão ser ocupados (com intervalos de 24h entre os hóspedes). A academia, só com hora marcada. E quem for usar a piscina deve respeitar a distância de 1,5m de outra pessoa. As toalhas e lençóis são higienizados em ambiente industrial e o café da manhã é servido na mesa, sem serviço de buffet. O cardápio pode inclusive ser acessado por aplicativo. A sauna e espaços de entretenimento, como salão de jogos, não vão poder funcionar nesta primeira fase. “É super importante a reabertura porque o turismo é a principal fonte de renda do município”, diz o gerente comercial do Sued’s Plaza, Ivan Bahia, que estima que o hotel tenha até 20% da ocupação na próxima quarta-feira (15). 

Dos mais de 500 hotéis de Porto Seguro, o secretário de turismo Paulo Magalhães estima que pelo menos 50 reabram na próxima semana. Segundo a Prefeitura, 77 empreendimentos - entre hotéis, barracas de praia, bares, restaurante e lanchonetes, agências de viagem e operadores - assinaram o termo de responsabilidade sanitária e aguardam a inspeção da vigilância para receber o selo. 


Quem fez a solicitação foi a dona da barraca de praia Cabana Arapati, Mariela Estevez, de 46 anos. Nascida na Argentina, ela mora em Porto Seguro há 19 anos. Segundo ela, tudo já está preparado e conforme o protocolo para receber clientes na próxima quarta. “Cumprir as normas não é só para proteger o turistas, mas a gente, os funcionários”, pontua Mariela. Na alta estação, sua barraca recebia cerca de 400 pessoas por dia. Hoje, ela só trabalha com retirada. Metade dos funcionários voltarão a trabalhar na próxima semana, por escala, usando luvas e máscaras, e os talheres serão todos com proteção de plástico. O número de mesas e cadeiras foi reduzido e ainda há possibilidade de espreguiçadeiras serem permitidas.

Fechados 

Mesmo com a possibilidade de abrirem na próxima semana, alguns empreendimentos escolheram continuar fechados. É o caso do Porto Seguro Praia Resort, que só pretende retomar em 1° de setembro, e da agência AR turismo, que faz receptivo da CVC. Segundo Marcos Gallani, Gerente Operacional do Praia Resort, esse tempo será usado para estruturar o protocolo de segurança, bem com treinar a equipe, adquirir os equipamentos necessários e avaliar o mercado, levando em conta a volta da malha aérea. 

Já a AR Turismo, que tem uma frota de 50 veículos já adaptada ao protocolo do Ministério do Turismo, informa que ainda não há clientes para voltar a trabalhar. “A gente atende 99% por via aérea e ainda não tem nada marcado, são poucos voos”, esclarece o gerente geral da empresa Artur Albert. O aeroporto de Porto Seguro opera, neste mês de julho, com uma média de um a três voos por dia, somente para São Paulo. Em janeiro, a média era 44 por dia. O transporte intermunicipal está suspenso desde 19 de março, sem previsão para retornar.

Situação semelhante acontece com a agência Top Mais Turismo, que faz o receptivo da Flytour. “A gente quer retornar dia 15, mas tá sem cliente. Não tem turista, mesmo com parte da cidade aberta”, explica Gerson Júnior, diretor da agência. Porém, o cenário é promissor: a empresa já tem clientes marcados para 30 de julho - é um grupo de 25 pessoas que virá de Minas Gerais. São os primeiros desde 20 de março. Antes da pandemia, a média era receber 350 turistas por semana. 

A Secretaria de comunicação de Porto Seguro informou que a data pode ser adiada, pois depende de uma reunião que será feita nesta sexta-feira (10) com prefeitos do Sul e Extremo Sul da Bahia e o governador Rui Costa (PT). Será ainda aplicado toque de recolher na cidade a partir desta sexta, até a próxima quarta (15), quando haverá nova avaliação municipal sobre a evolução da doença. Porto Seguro tem 735 casos confirmados de covid-19, sendo 552 recuperados, 11 internados, 162 em isolamento respiratório e 10 óbitos, segundo o boletim epidemiológico municipal da quarta-feira (8).

Do Correio