Circula nas redes sociais que o governador da Bahia, Rui Costa (PT), teria demitido a médica Raissa Soares por perseguição política. Raissa ganhou notoriedade após fazer um apelo para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ajudar na saúde do estado. Ela também é defensora do uso de hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. 

Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira, a seguir, o trabalho da Agência Lupa, uma das parceiras mundiais do Facebook na verificação de notícias.

A informação analisada pela Lupa é falsa. A médica Raissa Soares, que ganhou notoriedade nas redes sociais por defender o uso de hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, não foi demitida do  Hospital Regional Deputado Luís Eduardo Magalhães (HRDLEM) – localizado em Porto Seguro, na Bahia. Segundo a própria médica e a direção do hospital, a saída se deu porque, com outros compromissos profissionais, ela não estava conseguindo cumprir os plantões na instituição. 


Raissa publicou um vídeo negando que sua demissão tenha motivos políticos. Segundo a médica, que também trabalha na prefeitura de Porto Seguro e no Hospital Navegantes, ela “não estava tendo tempo” de cumprir as escalas no hospital. “Eles [o departamento de Recursos Humanos do hospital] deram minha carga horária para outro colega, porque estava pedindo para outros colegas cobrirem essas escalas que eu estava fazendo”, disse. 

Já o HRDLEM de saúde informou, em nota encaminhada pela Secretaria de Saúde da Bahia, que o setor responsável pelas renovações de contratos no hospital procurou a profissional para aumentar a sua carga de trabalho, já que ela trabalhava com uma carga reduzida. 

Contudo, segundo a direção hospital, a médica disse que já tinha uma grande demanda de trabalho durante o período da pandemia. Devido à grande quantidade de trabalho, ela decidiu não renovar o contrato. Ou seja, a decisão de demitir a médica não partiu do governador Rui Costa (PT). 

“A diretoria do HRDLEM lamenta essa deturpação dos fatos. A abordagem foi para ampliação da jornada, uma vez que a escala vem necessitando de reforços. A profissional no entanto, reconheceu suas dificuldades frente aos compromissos externos que executa, e compreendemos o seu relevante papel. Reitero que o nosso compromisso é com a saúde da população”, diz a nota. 


Boatos

Esse boato começou a circular pelas redes após Raissa publicar um vídeo em seu Facebook pedindo ajuda para o presidente Jair Bolsonaro. Na gravação, ela solicitou que o presidente mandasse mais hidroxicloroquina para o tratamento de pacientes com Covid-19. Em abril, a secretaria de saúde da Bahia liberou o uso de hidroxicloroquina e azitromicina para infectados com o vírus mediante a prescrição médica. 

Essa não é a primeira vez que o nome de Raissa é ligado a boatos nas redes. No início de junho, jornalistas publicaram uma reportagem informando que uma publicação que circulava pelas redes distocia um vídeo da médica sobre o protocolo da cloroquina. O texto afirmava que Raissa teria dito que o “presidente sempre esteve certo”.