Segundo psiquiatra, isolamento social pode causar sintomas de depressão e ansiedade Créditos: Pixabay

A disseminação do coronavírus parou pessoas e cidades. Manter a saúde mental em dia é um dos principais desafios que surgiram durante o período de quarentena e isolamento social, que é realidade em muitos países.

Manter a rotina, desligar das redes sociais e praticar exercícios físicos em casa são medidas que impactam positivamente na saúde mental. Para lidar com a situação de isolamento, o psiquiatra da Estância do Lago - Spa & Wellness, Ricardo Assmé, diz que a situação atual pode causar sintomas de depressão e ansiedade, e a principal medida para passar por esse confinamento é estabelecer uma rotina. "Acordar e fazer refeições em horários definidos já praticados em dias comuns, ler livros, manter o contato com familiares e fazer coisas que gosta podem ajudar a passar por esse momento com mais leveza”, recomenda.

Mesmo em casa, Assmé ressalta que é importante criar novas possibilidades para passar por esse momento sem comprometer o emocional. Segundo o psiquiatra, é comum que a quarentena cause estresse excessivo e insônia. Manter a comunicação com pessoas próximas e não cobrar-se tanto são passos importantes para que esse momento de tensão seja superado. “Evitar redes sociais por conta de fake news e divergências de opiniões, passar o tempo brincando com filhos e criar novas receitas na cozinha, por exemplo, são atividades ideais para serem feitas durante o isolamento”, explica.

Para criar uma nova rotina em casa, além de definir horários durante a quarenta para as atividades, o profissional indica realizar cursos online e arriscar-se numa meditação mindfulness para iniciantes, como alternativa para a manter a saúde mental em dia.