A nova medida provisória para o mercado de trabalho formal autoriza a redução salarial de até 70% ou a suspensão total dos contratos.

Desta vez, o texto prevê a complementação de parte da renda do trabalhador pelo governo, com base no seguro-desemprego. Também institui período em que o funcionário não poderá ser demitido. Entenda as regras.

O governo estima que 24,5 milhões de trabalhadores terão o salário reduzido ou o contrato suspenso e espera evitar a demissão de 8,5 milhões de pessoas.

A MP começará a valer imediatamente após a publicação. O Congresso poderá validar ou alterar o texto. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, prometeu agilidade na votação de medidas contra a crise.

O que foi dito: o país corre risco de entrar em depressão econômica, afirmou o presidente Jair Bolsonaro em entrevista à Band.

Em paralelo: estados e municípios tentam mitigar os efeitos da crise com medidas destinadas a famílias pobres, autônomos e donos de negócios parados com a epidemia. As ações incluem a suspensão de impostos, transferência de renda e até empréstimos a juros baixos.

De O Globo