Uma ação conjunta das vigilâncias sanitária e epidemiológica de Eunápolis interditou por cinco dias a sede da empresa de transporte de valores Prosegur, no centro da cidade. Segundo denúncias recebidas pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, a empresa estaria descumprindo uma série de orientações para evitar a proliferação da Covid-19.

Nas últimas 48 horas, quatro funcionários da Prosegur atestaram positivo para coronavírus. 18 trabalhadores foram colocados em isolamento domiciliar. As denúncias davam conta que a empresa havia colocado na escala de trabalho parte dos funcionários estão em isolamento domiciliar. "Verificamos que cinco destas pessoas, que deviam estar em casa, sendo monitoradas, estavam trabalhando", afirmou o secretário de Saúde, Jairo Júnior.

De acordo com a diretora da Vigilância Sanitária, Helen Domiciano, na quarta-feira (15) a empresa já tinha sido multada em dois salários mínimos, por não fornecer equipamentos de proteção e álcool em gel aos colaboradores e por não adotar normas de higienização. Também foi constatada aglomeração de pessoas no refeitório, onde os técnicos suspeitam que tenham ocorrido as contaminações.

A procuradora-geral do município de Eunápolis, Priscila Barbalho, declarou que vai denunciar o diretor da Prosegur em Eunápolis ao Ministério Público e a Polícia Civil, por ele não ter cumprido as determinações dos órgãos de saúde e ter colocado em escala de trabalho os funcionários que já estavam isolados.

A Secretaria de Saúde aguarda a confirmação do exame de mais um funcionário da Prosegur, também com suspeita de ter contraído o vírus. É esperada ainda a divulgação do resultado do exame de três esposas dos funcionários que tiveram diagnóstico positivo para covid-19.

Procurada pela reportagem do RADAR 64 para falar sobre as denúncias, a assessoria da Prosegur informou que enviaria uma nota de esclarecimento. Até a última atualização desta notícia, o comunicado ainda não havia chegada à redação.