Foco dos 15 casos de coronavírus no município de Eunápolis, a filial da Prosegur teve suas atividades suspensas por mais cinco dias. A medida foi anunciada na noite de segunda-feira (20) pela prefeitura local.A empresa de transporte de valores é acusada de descumprir as medidas de prevenção ao Covid-19 determinadas por decretos municipais, convocando, pela segunda vez, na segunda-feira, funcionários em isolamento domiciliar para retornarem ao trabalho.

Para as autoridades em saúde, o descumprimento das medidas coloca em risco todo o serviço de prevenção e contenção do vírus no município.

Segundo denúncia dos funcionários, apurada pela Vigilância Sanitária e Polícia Militar, mesmo após ter suas atividades suspensas na última quinta-feira (17/05), o supervisor da Prosegur montou, na segunda (20/04), uma operação para funcionar irregularmente, escondendo carros da empresa e convocando novamente servidores em isolamento domiciliar para retomarem as suas atividades, com alguns relatos também de ameaças de demissões.

De acordo com a prefeitura, o supervisor da filial foi denunciado ao Ministério Público do Trabalho, que deve tomar providências em proteção aos trabalhadores, que devem cumprir sua quarentena em isolamento domiciliar. O município informou ainda que vai processar o supervisor criminalmente.


“Desde o início, o nosso trabalho foi dificultado pela empresa e os casos relacionados aos contatos de seus funcionários não param de crescer. Não podemos permitir que isso tome uma proporção incontrolável devido a irresponsabilidade de uma empresa que não está respeitando nem mesmo a vida de seus funcionários”, afirmou o prefeito Robério Oliveira.

O QUE DIZ A PROSEGUR

Em nota enviada à redação, a Prosegur informa que está cumprindo rigorosamente as determinações de interdição por parte da Secretaria de Saúde e da Vigilância Epidemiológica de Eunápolis (BA). A empresa também reitera que segue aguardando a decisão da Justiça do Estado sobre o restabelecimento do funcionamento de suas instalações.

Ressalta a nota que os serviços da companhia foram considerados essenciais, "conforme Decreto nº 10.282, publicado pelo governo federal em 20 de março de 2020". Sendo assim, diz a Prosegur, a interrupção do serviço de transporte dos valores pode ser prejudicial para a população da cidade, já que a empresa é responsável pelo abastecimento de numerário para os bancos da região, inclusive durante o pagamento do auxílio dado pelo governo federal, por conta da pandemia do coronavírus.

Destaca ainda a Prosegur que os colaboradores que foram diagnosticados com a Covid-19 estão afastados e em tratamento, recebendo toda a assistência por parte da empresa. "Os demais funcionários da filial estão passando por avaliação médica e monitoramento constante e, quando necessário, são colocados em quarentena", finaliza o comunicado.