Para evitar que o novo coronavírus se espalhe entre os povos indígenas da Bahia, o Governo do Estado recomendou a adoção de medidas preventivas, entre elas a suspensão da circulação de pessoas com sintomas de gripe nas aldeias, bem como da visitação turística em seus territórios.

Nas aldeias localizadas na Costa do Descobrimento, as visitações turísticas estão suspensas desde a segunda quinzena de março. De acordo com informações de lideranças indígenas e agências de turismo que atuam na região, ainda não há previsão para o retorno da atividade nas aldeias que recebiam grande número de visitantes diariamente, como a Jaqueira, Imbiriba, Barra Velha, Mata Medonha, além do Parque Nacional e Histórico do Monte Pascoal. Os indígenas permanecem em isolamento.

Há também uma recomendação para que se evite a circulação entre os seguintes grupos nas aldeias: pessoas com mais de 60 anos, asmáticos, hipertensos, diabéticos ou com outras enfermidades que reduzam a capacidade do sistema imunológico, além de grávidas, lactantes e crianças nas aldeias.

Até a tarde de segunda-feira (06), a Bahia confirmou 431 pacientes infectados pelo coronavírus, com dez mortes registradas.

A Coordenação de Políticas para os Povos Indígenas da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS) garante que está mantendo diálogo com as autoridades em saúde para preservar os povos indígenas.

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) enviou mais de 30 mil equipamentos de trabalho para os profissionais de saúde que trabalham nas aldeias, como luvas, máscaras cirúrgicas e aventais.